Almanaque Alagoas - Vida inteligente na web
DISQUE DENÚNCIA

Notícias

Opinião
Divulgação
O administrador de empresas Fernando Gineli

16 de Junho de 2015

Sucessão na empresa familiar é um dilema

Mesmo considerando os benefícios implícitos no processo de herdar um patrimônio, há desafios enormes a serem transpostos

Mesmo considerando os benefícios implícitos no processo de herdar um patrimônio, há desafios enormes a serem transpostos, antes mesmo de a herança chegar ao destinatário. Para compreender melhor esse assunto polêmico, leia na íntegra a seguir o artigo do administrador de empresas Fernando Gineli:

Sucessão na empresa familiar; dilema de um herdeiro

Por Fernando Gineli*

A maioria das pessoas costuma fazer o seguinte comentário acerca da posição de um herdeiro: “aquele está com a vida que pediu a Deus”. Entretanto, até que ponto é verdade que um herdeiro não tenha com o que se preocupar? Será verdade que a ele cabem apenas as vantagens de desfrutar o que lhe cai de “mão beijada”? Será verdade que ele não arca com nenhum tipo de responsabilidade? Não é bem assim. Mesmo considerando os benefícios implícitos no processo de herdar um patrimônio, há desafios enormes a serem transpostos, antes mesmo de a herança chegar ao destinatário.

Passos et al (2006, p.44) mostram como os próprios herdeiros enxergam a posição que ocupam e ocuparão. Para tanto, o autor traz o relato de um herdeiro no qual ele diz que herdar “é ter tudo e não ter nada”, isto é, a herança é uma promessa futura, um patrimônio e um poder que ainda não se tem.

Tal depoimento leva a um conceito bastante interessante para os herdeiros: “nada do que você esta recebendo é realmente seu; você é como um depositário do patrimônio e sua obrigação é preservá-lo e, se possível, ampliá-lo para passar à próxima geração”. (Passos et al, 2006, p.44).

Nesse mesmo contexto, o autor revela que o primeiro sentimento que emerge de um herdeiro é o de ter de lidar com um problema imposto, ou seja, é lidar com algo que não necessariamente é o seu. Sendo assim, adverte Passos et al (2006, p.44): “É fundamental estabelecer seu grau de identidade com esse projeto e assim definir seu papel futuro. Envolver-se com um negócio apenas por obrigação não trará benefícios de longo prazo para ninguém”.

De forma contrária a essa advertência, agem as famílias no sentido de, mesmo involuntariamente, incentivar seus membros a permanecerem unidos em torno da empresa, independentemente da ligação que o membro tenha com o negócio, e consideram o fato de buscarem realização profissional fora da empresa familiar como uma espécie de “crime hediondo”.

Outro dilema na vida de um herdeiro, além de ter de assumir a responsabilidade sobre algo que ele não escolheu, é que provavelmente essa responsabilidade terá de ser dividida com pessoas que ele também não pode escolher, seus irmãos, primos e outros membros da família. Nesse cenário, reside a possibilidade de conflitos com consequências, não raras vezes, catastróficas, do ponto de vista de preservação e continuidade do negócio da família, ou seja, as dificuldades de relacionamentos irão, naturalmente, surgir. Caso o fundador não tenha se preocupado com a sucessão, não a enxergou com um processo que deveria ter começado desde a escolha e preparação dos possíveis herdeiros, a empresa da família está fadada ao fracasso.

Diante desses dilemas, percebe-se que o filho-herdeiro busca apenas a afirmação de sua própria identidade. Isto é, pelo simples fato de ter nascido no seio de uma família que possuía uma empresa, ele não teve a oportunidade de saber se suas vitórias foram realmente por méritos próprios ou não. O que as famílias, donas de empresa, têm de entender a respeito de seus possíveis herdeiros é que eles não podem carregar a responsabilidade de dar continuidade a um sonho que não seja o seu, ou seja, o simples fato de pertencerem biologicamente à família não significa que serão funcionários da empresa, pois sua realização pode estar em outra área profissional, além disso, essa atitude não pode ser vista como uma “traição”.

Em suma, o que se deve buscar é o planejamento da sucessão, do qual todos os envolvidos possam participar, ainda que para afirmarem que não querem trabalhar na empresa, deixando apenas aqueles herdeiros que sonham e se realizam com o negócio da família.

*Fernado Gineli é administrador de empresa

Fernado Gineli
Articulista e administrador de empresa

Comentários

Paulo junior

18 de Junho de 2015

Tenho vivenciado durante 15 anos, em que trabalho com varejo, as dificuldades das empresas em prepararem seus sucessores. E vejo aqui uma definição muito sincera e realista de um jovem empresário Parabéns por sua coragem de expressar sua visão e seus sentimentos.

Sérgio Montes

16 de Junho de 2015

Brilhante, Fernando. Além de acadêmico, você demonstrou um profundo amadurecimento. Acho que você é inegavelmente, " O Cara". Foi uma satisfação ler seu artigo.

Fabiano
id5 soluções web Tengu Criação - Tengu :: Tecnologia id5