Almanaque Alagoas - Vida inteligente na web
EDUCAÇÃO

Notícias

Violência
FOTO: Cortesia à Gazetaweb
Jalves Ferreira Rocha da Silva alegou que comprou o celular por 800 Reais

22 de Junho de 2016

Jovem é preso com celular de desaparecido

Suspeito alegou que comprou o aparelho por R$ 800; pessoa que teria vendido celular também foi detida

Um jovem foi preso com o celular do estudante Abinael Ramos Saldanha, que está desaparecido desde a última quarta-feira (15). De acordo com informações dos advogados de defesa, Rodrigo Aragão e Helder Loureiro, o suspeito já prestou depoimento.

A Polícia Civil rastreou o aparelho, que estava em posse de Jalves Ferreira Rocha da Silva. Ele foi localizado em uma praça no bairro do Clima Bom, parte alta da capital, na noite da última segunda-feira (20), e detido em cumprimento a um mandado de prisão da 17ª Vara Criminal da Capital. O suspeito teve a prisão temporária decretada por 30 dias.

Em depoimento, Jalves Ferreira negou qualquer envolvimento com o desaparecimento do estudante Abinael Ramos e alegou que comprou o aparelho por R$ 800, no dia 15, mesmo dia em que o estudante foi visto pela última vez. A pessoa que teria vendido o celular também foi detida.

Os dois foram encaminhados para a sede da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic). O delegado Ronilson Medeiros, da Deic, informou que não irá se pronunciar sobre as prisões para não atrapalhar o avanço nas investigações do desaparecimento.

O estudante Abinael Ramos Saldanha foi visto pela última vez no bairro do Tabuleiro do Martins, em Maceió, após deixar a casa da noiva. Ele dirigia um Peugeot 206 preto, de placa NMD-1618. Qualquer informação sobre o paradeiro de Abinael pode ser repassada à família por meio do telefone (82) 99105-1408.

MAIS INFORMAÇÕES:

Suspeito detido pela Deic no 'Caso Abinael' já foi preso em operação do Gecoc; Ele teria participação em grupo criminoso que roubava carros em diversos estados do Nordeste; Deic investiga o desaparecimento do estudante desde o dia 15 deste mês

Reportagem de Jonathas Maresia | Portal Gazetaweb.com 22/06/2016 15h48

Um levantamento feito junto ao Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) aponta que Alfredo Fragoso Sobrinho, de 41 anos, detido pela Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) como suspeito de envolvimento no sumiço do estudante Abinael Ramos Saldanha, já havia sido detido em outra ocasião pelo Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas do Ministério Público Estadual (Gecoc). Ele seria integrante de uma quadrilha presa durante a Operação Tesoura, realizada pelas forças da Segurança Pública em junho de 2014.

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil de Alagoas, Paulo Cerqueira, as diligências mostram que Alfredo Fragoso teria tido acesso ao aparelho celular de Abinael. Ele e outro suspeito, identificado como Jalves Ferreira Rocha da Silva, encontram-se presos. Os dois tiveram a prisão temporária decretada pela 17ª Vara Criminal da Capital.

À época da Operação Tesoura, as autoridades policiais apontaram que Alfredo Fragoso e outros seis suspeitos atuavam em uma organização criminosa que seria responsável pelo roubo de veículos em vários estados, a exemplo de Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte. O bando, segundo investigações, atuava em estacionamentos de shoppings e grandes supermercados. Eles também roubavam objetos de valor dos proprietários.

O delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, afirmou, na manhã desta quarta-feira (22) que as investigações sobre o desaparecimento do estudante Abinael Ramos Saldanha levam a crer que ele está morto. Conforme o delegado-geral, a Polícia Civil disponibilizou "o que há de melhor" para apurar o caso e apreendeu equipamentos eletrônicos usados pela vítima.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Caso Abinael: Delegado diz que morte pode ter relação com "inveja profissional"

O delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, afirmou na manhã desta quarta-feira (22) que as investigações sobre o desaparecimento do estudante Abinael Ramos Saldanha levam a crer que ele está morto. Sem revelar detalhes, Cerqueira explicou que a principal linha seguida pela polícia para o crime é motivação passional.

"As investigações, infelizmente, nos levam a uma situação que nós não gostaríamos. Tanto eu, quanto o delegado responsável pelo caso [Ronilson Medeiros] acreditamos que não é possível encontrá-lo com vida, tendo em vista que se passaram seis dias do desaparecimento", disse em evento no Palácio República dos Palmares.

Conforme o delegado geral, a Polícia Civil disponibilizou "o que há de melhor" para apurar o caso e apreendeu equipamentos eletrônicos usados pela vítima. Um deles, um aparelho celular, foi localizado com o suspeito Jalves Ferreira Rocha da Silva - que está preso desde a última segunda (20) por suspeita de ligação no crime.

"Nós colocamos o que de melhor temos na Polícia Civil, que é a Deic, que é uma força especializada. Há um avanço grande nas investigações. Já há duas pessoas presas e nós estamos ouvindo pessoas ligadas ao estudante. No momento oportuno, o delegado responsável pelo caso deverá se pronunciar", ressaltou.

De acordo com Paulo Cerqueira, além de Jalves Ferreira Rocha da Silva, há outro suspeito detido. A polícia chegou até ele após rastrear o telefone do estudante desaparecido. Segundo o delegado-geral, esta pessoa é próxima a Abinael Ramos Saldanha.

OUTRAS MATÉRIAS RELACIONADAS

Polícia diz que investigação leva a crer que estudante desaparecido está morto

Jovem é preso com celular de estudante desaparecido

Livia Leão | Portal Gazetaweb

Galeria de imagens

Comentários

Fabiano
id5 soluções web Tengu Criação - Tengu :: Tecnologia id5